Como estudar as profecias da Bíblia – Guia Completo e Fácil

Tempo de leitura: 8 min

em junho 5, 2021

Como estudar as profecias da Bíblia – Guia Completo e Fácil

Parece que é quase inevitável encontrar a maior dúvida dos neófitos ser: como estudar as profecias da Bíblia.

Realmente, não estamos falando de um tipo de escrita extremamente simples de entender, até porque muitas partes da Bíblia em si já possuem um abismo cultural e histórico em si.

Entretanto é justo dizer que elas tomam não só um aspecto central em todas as Escrituras. 

Mas também fazem parte exatamente da curiosidade de muitos que ainda não encontraram a maneira correta de interpretá-las.

Por um lado temos interpretações totalmente liberais, que usam da alegoria para justificar suas explicações.

Já em algumas interpretação tenta se entender os textos, principalmente aqueles que falam de tempos futuros, de uma maneira mais correlacionada com a história em si.

E existem aqueles que usam de uma livre interpretação sem realmente se preocupar em ter muita base para se defender.

Neste tipo de visão não é incomum encontrar coisas, como por exemplo, a ideia de se proibir a ida a uma praia porque uma das bestas sairá do mar.

Seja como for, aprender como estudar te trará uma série de vantagens. 

E fazer isso do jeito correto é realmente fundamental para garantir um conhecimento geral das Escrituras Sagradas em si.

Hoje quero te mostrar como estudar as profecias da Bíblia de uma maneira natural, racional e completa.

Utilizando o que a própria Palavra de Deus nos apresenta como chave para abrir as revelações por ela apresentada.

Como estudar as profecias da Bíblia – Guia Simples e completo

Primeiramente é importante dizer que muitos entendem estas partes da Palavra como sendo puramente sensacionalistas.

Sem contar os vários que resolvem angariar seus 15 minutos de fama tentando utilizar uma imagem de cataclismas em previsões fajutas.

Entenda, neste material você irá aprender a interpretar o que a Bíblia iria revelar a você, e não o que este tipo de charlatanismo fajuto faz com a mente de várias pessoas.

Por isso fique à vontade para tirar suas dúvidas a qualquer momento na parte de comentários ou mesmo nos enviar algum email.

Por que estudar as profecias

Antes de dar nossos primeiros passos é interessante levantar o questionamento sobre os motivos que nos levam a realmente estudar as profecias.

Acredite você ou não, mas é normal que muitos não busquem sobre como estudar as profecias da Bíblia exatamente por não encontrar vantagem nisso.

Outros já estão tão certos dos seus conteúdos que não pensam precisar gastar tempo com esta atividade.

Muito disso se deve ao fato de que as pessoas encaram (principalmente) o livro de Apocalipse como sendo um relato de situações horrorosas que irão acontecer no final do mundo.

Mas este mesmo tipo de pessoas dificilmente tem ideia de que este livro relata até mesmo fatos que acontecem no momento da crucificação de Cristo.

A história e o destino da humanidade são revelados, assim como mensagens de esperança e conforto.

Neste livro está presente uma certeza de que tudo irá realmente ser restaurado à perfeição, inclusive nosso planeta.

Quem entende as profecias não se tornará um oráculo do futuro, mas aprenderá exatamente a olhar até mesmo para as coisas ruins como um anúncio de que algo incrível está para vir.

Como estudar profecias

Agora que demos uma olhada rápida sobre exatamente o que você ganha com estes estudos, é importante também falar exatamente sobre como fazer este tipo de atividade.

O processo de estudar as profecias bíblicas é bem semelhante ao que você encontra em um estudo da Bíblia normal.

Inclusive você pode encontrar um guia muito interessante desta atividade clicando aqui.

Mas em tese é importante também saber que as profecias, assim como as parábolas, possuem uma mensagem codificada.

Este tipo de linguagem chamamos de apocalíptica, no caso uma linguagem de revelação.

Você sabe o que significa apocalipse?

Apocalipse (ou apokálypsi – αποκάλυψη em grego) significa exatamente revelação.

O último livro da Bíblia recebe este nome exatamente porque esta é a primeira palavra escrita.

“Revelação de Jesus Cristo […]” Ap. 1:1

Como eu estava dizendo, este tipo de linguagem utiliza símbolos que realmente precisam de um suporte para se interpretar.

Várias escolas de pensamento foram criadas, e até hoje existem debates calorosos no mundo teológico.

Sendo assim é importante não só entender a Palavra de Deus, mas também escolher uma chave, ou mesmo tentar encontrar uma outra, que abra o entendimento do conteúdo.

O que é uma profecia? O que é um Profeta?

Existe algo muito importante ao estudar uma profecia, exatamente porque a maioria das pessoas não tem ideia do que ela realmente é.

Uma profecia, em tese, não é exatamente algo que fale sobre o futuro.

A profecia em si é uma mensagem diretamente de Deus.

Esta mensagem pode vir através de uma revelação em sonho, visão ou mesmo entregue por um anjo.

Podemos ilustrar vários casos aqui, como por exemplo a experiência de Pedro no lenço que descia do céu com vários animais de todos os tipos (Atos 10:9-48). Ou mesmo no encontro de Paulo onde teve uma visão acordado (9:3-6).

O profeta normalmente fica imóvel durante a visão e pode manifestar alguma ação um tanto quanto sobrenatural, como foi o caso de Moisés, que ao descer do monte tinha seu rosto resplandecendo.

A palavra profeta vem do hebraico נָבִיא (Navi), e o ato de profetizar seria o de comunicar a vontade, ou uma mensagem de Deus.

Isto faz com que tenhamos vários tipos diferentes de profecia:

  • Profecia para alertar um povo de seus erros (Jr 34)
  • Profecia que fala sobre o futuro (Apocalipse; Daniel; Mt 24)
  • Profecia no sentido de pregação (Dt 30:19 e 20; 1 Sm 19:24)

Enquanto a maioria delas normalmente são relacionadas ao dom de profecia (1 Co 14:1) é comum que encontremos também a pregação como uma manifestação deste ato. Um exemplo citado foi o do próprio Saul, que após entrar em contato com outros profetas realizou também o ato de profetizar.

Ou seja, o que aconteceu ali é que aqueles homens pregavam sobre a vontade de Deus a Saul, não necessariamente algo recebido em visão ou sonho, e Saul, convertido mesmo que momentaneamente, passou a fazer o mesmo e se retirou do lugar com as intenções que tinha.

Tipos de interpretação das profecias da Bíblia

Para tentar desvendar o texto revelado em formato de símbolos, no caso a chamada linguagem apocalíptica, é normalmente escolhida uma forma de interpretação.

Irei listar aqui as principais, mas isto não significa necessariamente que você tenha que adotar qualquer uma delas como sendo uma verdade absoluta que não pode ser contestada.

Embora o próprio texto já entregue a maioria dos elementos de interpretação, é interessante notar que muitos ignoram este tipo de informação.

Aqui vamos aos mais básicos.

Futurismo

O futurismo é sem dúvida nenhuma uma das correntes mais famosas entre o mundo evangélico moderno, o que não necessariamente diz que ela está correta.

Basicamente a escola de pensamento traz todas as profecias de linguagem apocalíptica como sendo algo que irá ocorrer no fim dos tempos, além de serem eventos totalmente literais e globais.

A ideia é que você terá realmente bestas emergindo de vários locais e várias outras informações que se tornam um tanto quanto difíceis de se interpretar de maneira lógica e coesa.

Hoje ela foi incorporada pelo dispensacionalismo, que será analisado a seguir.

Entretanto a sua origem é bastante antiga, onde no séc. XVI o padre Francisco Ribera (1537-1591) iniciou as suas publicações.

Não há um consenso absoluto, porém há uma grande possibilidade que esta criação tenha sido feita exatamente para combater algumas das visões das profecias que estavam sendo resgatadas pelo movimento reformistas e que colocavam o papado como sendo o famoso “anti-Cristo”.

Hoje a maioria da teoria já se assimilou a outras, como veremos a seguir. 

Saber como estudar as profecias da Bíblia também é saber um pouco de história.

Dispensacionalismo

O dispensacionalismo é uma outra vertente um tanto quanto problemática, mas extremamente aceita pelos evangélicos pentecostais e neopentecostais. A ideia aqui é adaptar a visão futurista com alguns elementos protestantes.

Seu principal proponente foi John Nelson Darby (1800-1882), que foi então sucedido por Cyrus Ingerson Scofield (1843-1921). Este último foi o autor da Bíblia de estudos Scofield, um dos materiais mais extensos sobre o assunto.

As implicações do dispensacionalismo trazem impactos também na própria soteriologia, onde as pessoas irão ser levadas a crer que a salvação ocorre de maneiras diferentes em cada dispensação.

Estes são períodos de tempo, divididos em 7 onde nos encontramos no sexto. Ou seja, este é o período da graça, que iniciou após a crucificação e substituiu o antigo, que era o da lei entregue por Moisés.

Entretanto a Bíblia é bastante clara ao falar sobre a graça mesmo em tempos que seriam considerados de dispensações diferentes (Sl 13:5;37:39;Gn 6:8 e 9).

Preterismo

A escola preterista tem o objetivo de jogar tudo para o passado do momento em que as profecias em questão foram escritas. Você irá encontrar um grande número de situações onde a interpretação faz com que o profeta esteja por vontade própria falando de algo que já aconteceu, mas de maneira simbólica para evitar punições.

Um dos exemplos mais comuns aqui seria exatamente a interpretação do chifre pequeno de Daniel (7:8) que foi considerado como Antíoco Epifânio. Entretanto por vários motivos, que podemos discutir depois, esta não é uma boa ideia.

Sem contar o fato que muitas das profecias preteristas acabam por colocar como uma verdade quase absoluta o fato de que alguns livros eram na verdade pseudepígrafos, ou seja, livros escritos posteriormente por alguém que fingia ser o autor indicado.

Método historicista

O método historicista é visivelmente a opção mais confiável dentro das nossas possibilidades hoje. Isto porque ele é o único que deixa o texto interpretar o próprio texto, encontrando nas dicas da tradução dos símbolos uma maneira de entender o que está escrito.

Um exemplo disso é a própria interpretação dos animais, que poderiam ser chamados também de bestas, nas visões de Daniel 7. Aqui é apresentado que cada um desses monstros seriam na verdade um reino que haveria de se levantar e tomar o poder sobre a terra, e não um animal estranho que aparecerá.

O mesmo podemos dizer com alguns símbolos de apocalipse, como é o caso das águas, que representam povos, nações e línguas (Ap 17:15).

Através disto, e de medidas de conversão de tempo onde um dia na profecia seria 1 ano, é possível encontrar eventos importantes que se encaixam com o previsto.

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!